Carregando...
Jusbrasil - Legislação
23 de setembro de 2020

Lei 12268/06 | Lei nº 12.268, de 20 de fevereiro de 2006

Publicado por Governo do Estado de São Paulo (extraído pelo Jusbrasil) - 14 anos atrás

LEIAM 0 NÃO LEIAM

Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. Ver tópico (1291 documentos)

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO:

Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei:

Artigo 1º - Fica instituído, no âmbito do Estado de São Paulo, o Programa de Ação Cultural - PAC, que será implementado pela Secretaria de Estado da Cultura. Ver tópico (8 documentos)

Artigo 2º - São objetivos do PAC: Ver tópico (3 documentos)

I - apoiar e patrocinar a renovação, o intercâmbio, a divulgação e a produção artística e cultural no Estado; Ver tópico

II - preservar e difundir o patrimônio cultural material e imaterial no Estado; Ver tópico

III - apoiar pesquisas e projetos de formação cultural, bem como a diversidade cultural; Ver tópico

IV - apoiar e patrocinar a preservação e a expansão dos espaços de circulação da produção cultural. Ver tópico

Artigo 3º - O PAC será constituído pelas seguintes receitas: Ver tópico (6 documentos)

I - recursos específicos, fixados pela Secretaria de Estado da Fazenda, e consignados no orçamento anual da Secretaria de Estado da Cultura, aqui denominados "Recursos Orçamentários"; Ver tópico

II - recursos do Fundo Estadual de Cultura criado pela Lei nº 10.294, de 3 de dezembro de 1968; Ver tópico

III - recursos provenientes do Incentivo Fiscal de que trata o artigo 6º da presente lei. Ver tópico (2 documentos)

Artigo 4º - Os recursos do PAC serão destinados a atividades culturais independentes, de caráter privado, nos seguintes segmentos: Ver tópico (45 documentos)

I - artes plásticas, visuais e design; Ver tópico

II - bibliotecas, arquivos e centros culturais; Ver tópico

III - cinema; Ver tópico

IV - circo; Ver tópico

V - cultura popular; Ver tópico (18 documentos)

VI - dança; Ver tópico

VII - eventos carnavalescos e escolas de samba; Ver tópico

VIII - "hip-hop"; Ver tópico

IX - literatura; Ver tópico

X - museu; Ver tópico

XI - música; Ver tópico

XII - ópera; Ver tópico

XIII - patrimônio histórico e artístico; Ver tópico

XIV - pesquisa e documentação; Ver tópico

XV - teatro; Ver tópico

XVI - vídeo; Ver tópico

XVII - bolsas de estudo para cursos de caráter cultural ou artístico, ministrados em instituições nacionais ou internacionais sem fins lucrativos; Ver tópico

XVIII - programas de rádio e de televisão com finalidades cultural, social e de prestação de serviços à comunidade; Ver tópico

XIX - projetos especiais - primeiras obras, experimentações, pesquisas, publicações, cursos, viagens, resgate de modos tradicionais de produção, desenvolvimento de novas tecnologias para as artes e para a cultura e preservação da diversidade cultural; Ver tópico

XX - restauração e conservação de bens protegidos por órgão oficial de preservação; Ver tópico

XXI - recuperação, construção e manutenção de espaços de circulação da produção cultural no Estado. Ver tópico

Artigo 5º - Constituirão receitas do Fundo Estadual de Cultura: Ver tópico (1 documento)

I - dotação orçamentária própria; Ver tópico

II - doações e contribuições dos governos federal, estaduais e municipais, de autarquias e de sociedades de economia mista; Ver tópico

III - doações e contribuições das pessoas físicas ou jurídicas de direito privado; Ver tópico

IV - repasses de organismos nacionais e internacionais, baseados em convênios; Ver tópico

V - juros de depósitos ou operações de crédito do próprio Fundo Estadual de Cultura; Ver tópico

VI - vetado; Ver tópico

VII - quaisquer outras receitas que legalmente incorporam-se ao Fundo Estadual de Cultura. Ver tópico

Artigo 6º - O contribuinte do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS poderá, nos termos e condições estabelecidos pelo Poder Executivo, destinar a projetos culturais credenciados pela Secretaria de Estado da Cultura parte do valor do ICMS a recolher, apurado nos termos do artigo 47 da Lei nº 6.374, de 1º de março de 1989. Ver tópico (123 documentos)

§ 1º - A concessão do incentivo fiscal previsto neste artigo deverá: Ver tópico (17 documentos)

1 - observar o disposto na alínea g do inciso XII do § 2º do artigo 155 da Constituição Federal;

2 - ficar limitada a até 0,2% (dois décimos por cento) da parte estadual da arrecadação anual do ICMS relativa ao exercício imediatamente anterior, relativamente ao montante máximo de recursos disponíveis, a ser fixado em cada exercício pela Secretaria de Estado da Fazenda, para captação aos projetos credenciados pela Secretaria de Estado da Cultura em cada exercício.

§ 2º - Para fins de apuração da parte do valor do ICMS a recolher que poderá ser destinada aos projetos culturais de que trata o "caput", serão fixados, por meio de decreto, percentuais aplicáveis ao valor do saldo devedor do ICMS apurado pelo contribuinte, devendo esses percentuais variar de 0,01% (um centésimo por cento) a 3,0% (três por cento), de acordo com escalonamento por faixas de saldo devedor anual. Ver tópico

§ 3º - O disposto neste artigo não se aplica a contribuinte que não esteja em situação regular perante o Fisco, no que se refere ao cumprimento das obrigações principal e acessórias, e não satisfaça os requisitos estabelecidos pelo Poder Executivo. Ver tópico

Artigo 7º - Para as propostas de conteúdo artístico-cultural, com destinação exclusivamente pública para efeitos desta lei, considera-se: Ver tópico

I - projeto cultural: a proposta de conteúdo artístico-cultural, com destinação exclusivamente pública, e de iniciativa da produção independente, que receberá os benefícios do PAC; Ver tópico

II - gestor ou promotor: pessoa física ou jurídica responsável pelo projeto ou pelo seu desenvolvimento; Ver tópico

III - patrocinador: pessoa jurídica, contribuinte tributário de ICMS, que apoiar financeiramente projeto cultural. Ver tópico

Artigo 8º - Poderão apresentar projetos, como pessoa física, o próprio artista ou detentor de direitos sobre o seu conteúdo e, como pessoa jurídica, empresas com sede no Estado que tenham como objeto atividades artísticas e culturais, e instituições culturais sem fins lucrativos. Ver tópico (20 documentos)

Parágrafo único - O disposto no "caput" deste artigo não se aplica a órgãos e entidades da administração pública, direta ou indireta, federal, estaduais e municipais, as quais poderão ser apenas beneficiárias de projetos referentes a atividades artísticas e culturais. Ver tópico (8 documentos)

Artigo 9º - Fica vedada a utilização dos recursos do Incentivo Fiscal de que trata o artigo 6º para projetos em que seja beneficiária a empresa patrocinadora, bem como seus proprietários, sócios ou diretores, seus cônjuges e parentes em primeiro grau. Ver tópico (57 documentos)

§ 1º - A utilização de recursos na forma prevista no "caput" deste artigo sujeitará a empresa patrocinadora ao cancelamento dos benefícios desta lei, com prejuízo dos valores eventualmente já depositados. Ver tópico

§ 2º - O disposto no "caput" deste artigo não se aplica aos projetos de conservação ou restauração de bens protegidos por órgão público. Ver tópico (1 documento)

Artigo 10 - Caberá ao Conselho Estadual de Cultura discutir e propor políticas públicas para o Estado na área de Cultura, bem como normas e diretrizes gerais da aplicação dos recursos da presente lei. Ver tópico (1 documento)

Artigo 11 - Os recursos consignados no orçamento anual da Secretaria de Estado da Cultura, previstos no inciso I do artigo 3º desta lei - "Recursos Orçamentários", têm como finalidades o apoio à pesquisa, criação e circulação de obras e atividades artísticas e culturais por meio de: Ver tópico (1 documento)

I - projetos artísticos e culturais propostos por pessoas físicas ou jurídicas, com ou sem fins lucrativos, e que tenham residência ou sede no Estado; Ver tópico

II - programas públicos estabelecidos em leis municipais que, por meio de concursos públicos, destinem recursos no orçamento do município para projetos de artistas e produtores culturais locais. Ver tópico (1 documento)

Parágrafo único - Fica vedada a concessão dos recursos de que trata o "caput" deste artigo a: Ver tópico

1. obras, produtos, eventos ou quaisquer projetos destinados a circuitos ou coleções particulares;

2. institutos, fundações, ou associações vinculadas a organizações privadas que tenham fins lucrativos e não tenham na arte e na cultura uma de suas principais atividades;

3. qualquer órgão, despesa ou projeto da administração pública direta ou indireta, seja ela municipal, estadual ou federal.

Artigo 13 - Anualmente, a Secretaria de Estado da Cultura poderá utilizar até 3,5% (três e meio por cento) dos recursos do PAC para pagamento dos membros das Comissões, hospedagem, transportes, consultorias e pareceres técnicos, contratações de serviços, operação da conta bancária e exigências legais decorrentes, divulgação, conferência estadual da cultura, pré-conferências e demais despesas necessárias à administração do PAC. Ver tópico (9 documentos)

Artigo 14 - A participação dos projetos de produção cultural para obtenção de patrocínio com verba dos "Recursos Orçamentários" realizar-se-á por meio de editais públicos definidos pelo Conselho Estadual de Cultura. Ver tópico (1 documento)

Artigo 15 - Para inscrever o projeto no PAC, o proponente terá que comprovar domicílio ou sede no Estado há pelo menos 2 (dois) anos da data da inscrição. Ver tópico (7 documentos)

Artigo 16 - A seleção dos projetos de produção cultural a serem beneficiados com verbas dos "Recursos Orçamentários" será feita por comissões julgadoras em cada área, designadas pelo Secretário de Estado da Cultura, composta cada uma por 5 (cinco) membros de notório saber na área de atuação definida pelo respectivo edital, na seguinte conformidade: Ver tópico (138 documentos)

I - 2 (dois) membros escolhidos pelo Secretário de Estado da Cultura, que indicará entre eles o Presidente e Vice-Presidente; Ver tópico

II - 3 (três) membros escolhidos pelo Secretário de Estado da Cultura por meio de listas de nomes indicados por entidades artísticas do Estado. Ver tópico

I - vetado; Ver tópico

II - vetado; Ver tópico

III - vetado. Ver tópico

Artigo 18 - Deverá constar de todo material de divulgação ou indicação dos projetos beneficiados por esta lei, o seguinte texto: GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL DA SECRETARIA DE CULTURA, ou outra forma que a Secretaria de Estado da Cultura indicar. Ver tópico (2 documentos)

Artigo 19 - Os proponentes e seus responsáveis, que forem declarados inadimplentes em razão da inadequada aplicação dos recursos recebidos, ou pelo não-cumprimento do contrato, não poderão celebrar qualquer outro ajuste ou receber recursos do Governo do Estado por um período de 5 (cinco) anos. Ver tópico (534 documentos)

Artigo 20 - Fica criada na Secretaria de Estado da Cultura a Comissão de Análise de Projetos - CAP, a ser constituída pelo Secretário de Estado da Cultura, com a finalidade de analisar e deliberar sobre os projetos culturais destinados à obtenção do incentivo fiscal previsto no inciso III, do artigo 3º desta lei. Ver tópico (141 documentos)

§ 1º - A CAP será composta, de forma paritária, por servidores públicos e representantes da sociedade civil. Ver tópico (14 documentos)

§ 2º - A Presidência da CAP será exercida por representante da Secretaria de Estado da Cultura, indicado pelo titular da Pasta. Ver tópico

Artigo 21 - Fica criado na Secretaria de Estado da Cultura, diretamente subordinado ao Gabinete do Secretário, o Núcleo de Gerenciamento dos projetos destinados à obtenção dos benefícios do Incentivo Fiscal de que trata o artigo 6º desta lei. Ver tópico (8 documentos)

Parágrafo único - O Núcleo de Gerenciamento de que trata este artigo será constituído por servidores da Secretaria designados para estas atividades pelo Secretário de Estado da Cultura. Ver tópico

Artigo 22 - Fica instituída no Estado a Conferência Estadual de Arte e Cultura, que tem como objetivo organizar o debate, visando sistematizar demandas, propostas e diretrizes de políticas públicas que ampliem e consolidem o processo cultural no Estado. Ver tópico (1 documento)

Parágrafo único - A Conferência Estadual de Arte e Cultura, sob coordenação do Conselho Estadual de Cultura, será realizada a cada 2 (dois) anos, no Estado, e será precedida de pré-conferências. Ver tópico (1 documento)

Artigo 23 - O Poder Executivo regulamentará esta lei no prazo de 60 (sessenta) dias, a contar de sua publicação. Ver tópico

Artigo 24 - As despesas decorrentes da execução desta lei correrão à conta das dotações orçamentárias consignadas no orçamento vigente, suplementadas se necessário. Ver tópico

Artigo 25 - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, ficando revogada a Lei nº 8.819, de 10 de junho de 1994. Palácio dos Bandeirantes, aos 20 de fevereiro de 2006. Ver tópico

Geraldo Alckmin

João Batista de Andrade

Secretário da Cultura

Luiz Tacca Júnior

Secretário da Fazenda

Arnaldo Madeira

Secretário-Chefe da Casa Civil Publicada na Assessoria Técnico-Legislativa, aos 20 de fevereiro de 2006. (*) Regulamentada pelo Decreto nº 50.857, de 06 de junho de 2006 Publicado em : D.O.E em 21/02/2006, Seção I - pág. 01 Atualizado em: 08/06/2006 09:59

Secretário-Chefe da Casa Civil Publicada na Assessoria Técnico-Legislativa, aos 20 de fevereiro de 2006. (*) Regulamentada pelo Decreto nº 50.857, de 06 de junho de 2006 Publicado em : D.O.E em 21/02/2006, Seção I - pág. 01 Atualizado em: 08/06/2006 09:59

×

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)