Carregando...
Jusbrasil - Legislação
29 de junho de 2022

Resolucao 25/05 | Resolução nº 25, de 18 de Março de 2005

Publicado por Governo do Estado de São Paulo (extraído pelo Jusbrasil) - 17 anos atrás

LEIAM 0 NÃO LEIAM

Ministério das Cidades - Conselho das Cidades. Ver tópico (996 documentos)

O Conselho das Cidades, no uso de suas atribuições estabelecidas pelo Decreto n. 5.031, de 2 de abril de 2004, por encaminhamento do Comitê Técnico de Planejamento Territorial Urbano, e considerando:

a) que compete ao Conselho das Cidades emitir orientações e recomendações sobre a aplicação da Lei n. 10.257, de 2001 (Estatuto da Cidade), e dos demais atos normativos relacionados ao desenvolvimento urbano;

b) que as diretrizes gerais da política urbana, nos termos do art. 182, caput, da Constituição Federal, vinculam as ações municipais na execução da política de desenvolvimento urbano;

c) que, entre as mencionadas diretrizes gerais, fixadas no art. do Estatuto da Cidade, encontra-se a "gestão democrática por meio da participação da população e de associações representativas dos vários segmentos da comunidade na formulação, execução e acompanhamento de planos, programas e projetos de desenvolvimento urbano";

d) que a efetividade dos instrumentos previstos no Estatuto da Cidade, destinados a ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e da propriedade "em prol do bem coletivo, da segurança e do bem-estar dos cidadãos, bem como do equilíbrio ambiental", dependem em grande medida da elaboração dos planos diretores municipais;

e) que os planos diretores devem conter mecanismos que assegurem sua efetiva implementação e permanente monitoramento e atualização por meio, inclusive, de sua incorporação à legislação orçamentária municipal;

f) que o prazo de cinco anos para atender a obrigação constitucional de elaboração de planos diretores, fixado pelo art. 50 do Estatuto da Cidade, esgota-se no mês de outubro de 2006;

g) que, nos termos do art. 52, VI e VII, do Estatuto da Cidade, incorrem em improbidade administrativa os prefeitos que desatenderem o mencionado prazo ou deixarem de observar os princípios de participação social e de publicidade, que devem presidir o processo de elaboração dos planos diretores;

RESOLVE emitir as orientações e recomendações que se seguem:

Art. 1º - Todos os Municípios devem elaborar seus Planos Diretores de acordo com o determinado pela Lei Federal 10.257/01 (Estatuto da Cidade). Ver tópico (1 documento)

Art. 2º - Os Municípios que devem obrigatoriamente elaborar seus planos diretores até outubro de 2006 são aqueles que não possuem plano diretor, ou tendo aprovado seu plano diretor há mais de 10 anos, enquadram-se em pelo menos uma das seguintes condições: Ver tópico (28 documentos)

I - tenham mais de 20 mil habitantes; Ver tópico (3 documentos)

II - integrem regiões metropolitanas ou aglomerações urbanas. Ver tópico (2 documentos)

§ 1º - Considera-se a população total do Município para fins do inciso I, o número definido pelo Censo de 2000 do IBGE. Ver tópico

§ 2º - Consideram-se municípios integrantes de regiões metropolitanas e aglomerações urbanas para fins do inciso II, aqueles localizados em regiões metropolitanas e aglomerações urbanas criadas por lei federal anterior à Constituição de 1988 ou as instituídas por lei estadual nos termos do art. 25, Ver tópico (24 documentos)

§ 3º, da CF, bem como aqueles incluídos em Regiões Integradas de Desenvolvimento (RIDEs), instituídas por legislação federal. Ver tópico

III - Estão ainda obrigados a elaborar planos diretores, sem prazo definido por lei, os Municípios: Ver tópico

a) onde o Poder Público pretenda utilizar os instrumentos de combate à ociosidade da propriedade urbana, previstos no art. 182, § 4º, da CF; Ver tópico

b) integrantes de áreas de especial interesse turístico; Ver tópico

c) inseridos na área de influência de empreendimentos ou atividades com significativo impacto ambiental de âmbito regional ou nacional. Ver tópico

Art. 3º - O processo de elaboração, implementação e execução do Plano Diretor deve ser participativo, nos termos do art. 40, § 4º e do art. 43 do Estatuto da Cidade. Ver tópico (30 documentos)

§ 1º - A coordenação do processo participativo de elaboração do Plano Diretor deve ser compartilhada, por meio da efetiva participação de poder público e da sociedade civil, em todas as etapas do processo, desde a elaboração até a definição dos mecanismos para a tomada de decisões. Ver tópico (20 documentos)

§ 2º - Nas cidades onde houver Conselho das Cidades ou similar que atenda os requisitos da Resolução n. 13 do CONCIDADES, a coordenação de que trata o § 1º, poderá ser assumida por esse colegiado; Ver tópico

Art. 4º - No processo participativo de elaboração do plano diretor, a publicidade, determinada pelo inciso II, do § 4º do art. 40 do Estatuto da Cidade, deverá conter os seguintes requisitos: Ver tópico (21 documentos)

I - ampla comunicação pública, em linguagem acessível, através dos meios de comunicação social de massa disponíveis; Ver tópico (3 documentos)

II - ciência do cronograma e dos locais das reuniões, da apresentação dos estudos e propostas sobre o plano diretor com antecedência de no mínimo 15 dias; Ver tópico (17 documentos)

III - publicação e divulgação dos resultados dos debates e das propostas adotadas nas diversas etapas do processo; Ver tópico (2 documentos)

Art. 5º - A organização do processo participativo deverá garantir a diversidade, nos seguintes termos: Ver tópico (32 documentos)

I - realização dos debates por segmentos sociais, por temas e por divisões territoriais, tais como bairros, distritos, setores entre outros; Ver tópico (2 documentos)

II - garantia da alternância dos locais de discussão. Ver tópico

Art. 6º - O processo participativo de elaboração do plano diretor deve ser articulado e integrado ao processo participativo de elaboração do orçamento, bem como levar em conta as proposições oriundas de processos democráticos tais como conferências, congressos da cidade, fóruns e conselhos. Ver tópico (18 documentos)

Art. 7º - No processo participativo de elaboração do plano diretor a promoção das ações de sensibilização, mobilização e capacitação, devem ser voltadas, preferencialmente, para as lideranças comunitárias, movimentos sociais, profissionais especializados, entre outros atores sociais. Ver tópico (29 documentos)

Art. 8º - As audiências públicas determinadas pelo art. 40, § 4º, inciso I, do Estatuto da Cidade, no processo de elaboração de plano diretor, têm por finalidade informar, colher subsídios, debater, rever e analisar o conteúdo do Plano Diretor Participativo, e deve atender aos seguintes requisitos: Ver tópico (45 documentos)

I - ser convocada por edital, anunciada pela imprensa local ou, na sua falta, utilizar os meios de comunicação de massa ao alcance da população local; Ver tópico (10 documentos)

II - ocorrer em locais e horários acessíveis à maioria da população; Ver tópico (1 documento)

III - serem dirigidas pelo Poder Público Municipal, que após a exposição de todo o conteúdo, abrirá as discussões aos presentes; Ver tópico (3 documentos)

IV - garantir a presença de todos os cidadãos e cidadãs, independente de comprovação de residência ou qualquer outra condição, que assinarão lista de presença; Ver tópico (1 documento)

V - serem gravadas e, ao final de cada uma, lavrada a respectiva ata, cujos conteúdos deverão ser apensados ao Projeto de Lei, compondo memorial do processo, inclusive na sua tramitação legislativa. Ver tópico (1 documento)

Art. 9º - A audiência pública poderá ser convocada pela própria sociedade civil quando solicitada por no mínimo 1% (um por cento) dos eleitores do município. Ver tópico (12 documentos)

Art. 10 - A proposta do plano diretor a ser submetida à Câmara Municipal deve ser aprovada em uma conferência ou evento similar, que deve atender aos seguintes requisitos: Ver tópico (37 documentos)

I - realização prévia de reuniões e/ou plenárias para escolha de representantes de diversos segmentos da sociedade e das divisões territoriais; Ver tópico

II - divulgação e distribuição da proposta do Plano Diretor para os delegados eleitos com antecedência de 15 dias da votação da proposta; Ver tópico

III - registro das emendas apresentadas nos anais da conferência; Ver tópico

IV - publicação e divulgação dos anais da conferência. Ver tópico

Art. 10 - Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Dê-se ciência às Prefeituras Municipais e Governos Estaduais, registre-se e publique-se. Ver tópico (37 documentos)

OLIVIO DE OLIVEIRA DUTRA

Presidente Fonte: Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano S/A - EMPLASA (vinculada à Secretaria de Estado de Economia e Planejamento)

Retorna

Retorna

×

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)